12 jan

Sobre outros jogos que gostei em 2017

Então, feliz ano novo!

Tentei fazer esta imagem o mais brega possível, o que acharam?

Ok, chega de festa.

Conforme prometi no vídeo d’Os Melhores Games Que (Quase) Ninguém Jogou 2017, neste eu vou falar de outros jogos que gostei bastante, mas que não entraram na lista anterior por motivos diversos.

Portanto, sem mais delongas, hora da abertura.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

29 jun

Sobre a posição da Sony em relação à cross-play

Então, dois dos anúncios mais inesperados e legais desta E3 foram que dois jogos, Minecraft e Rocket League, ganharão funcionalidade cross-play! Viva!

VIVAAAAAA!!!

…Não esse tipo de cross-play. Estou falando de jogadores de diferentes plataformas jogar entre si. Num futuro não muito distante, um jogador da versão iOS de Minecraft conseguirá visitar o mundo de um jogador da versão Xbox One, por exemplo, ou um jogador de Rocket League para PC poderá competir contra um do Switch.

Um dos aspectos mais surpreendentes desses anúncios foi que a Nintendo, uma empresa muito fechada e com políticas online tremendamente arcaicas, topou permitir cross-play das versões Switch desses jogos. Foi um certo choque pra mim, fã de longa data, ver a empresa adotando uma postura tão pró-jogador e cooperando com os desenvolvedores, e um deles é a Microsoft, ainda por cima.

Todavia, o mais surpreendente não foi a cooperação da Nintendo, mas a recusa da Sony, pois as versões Playstation não se comunicarão com as versões Xbox e Switch.

O que é uma atitude bem cretina por parte dela. Pra piorar, a desculpa que ela deu foi, assim, muito, muito escrota. Ridícula.

Mas o que mais me irrita nisso tudo é que eu entendo perfeitamente porque ela adotou essa postura.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

14 jun

Sobre a conferência da Microsoft na E3 2016 (ou O futuro dos consoles segundo a Microsoft parte II)

Continuando minhas análises das conferências da E3, vamos para a da Microsoft.

Teve alguns jogos interessantes, como o We Happy Few (qualquer coisa com uma vibe Admirável Mundo Novo me atrai, é um dos meus livros favoritos) e o Scalebound (mistura de Devil May Cry com Monster Hunter? E cheio da tontice Platinum de ser? Gostei), assim como eu tenho que comentar que uma das grandes novidades da Xbox Live, os Clubs, são basicamente as comunidades do orkut (lê-se ôr-cú-tchí, para quem não lembra), mas o principal assunto da conferência foi a continuação da unificação toda do Windows 10 com o Xbox, com a iniciativa Play Anywhere. E é o assunto que eu quero comentar agora.

Leia mais