08 fev

Sobre o fim do Miitomo

Então, a Nintendo vai matar o Miitomo. Dia 09/05/2018 o aplicativo vai parar de funcionar por completo, se tornando um ícone morto no celular de quem ainda o tem. Devo dizer que não é uma surpresa muito grande, pois era claro que pouquíssimas pessoas ainda o usavam.

Mas ainda existia uma pessoa que usava o Miitomo, não para seu propósito original, mas para fazer vídeos no YouTube.

Sim, estou falando de mim mesmo. Sim, eu tiro o meu mii do Miitomo para fazer os vídeos. E sim, o fim do Miitomo vai afetar o canal.

Todavia, eu tenho muito a dizer sobre o fim do Miitomo em si. Por isso, ao invés de fazer um vídeo gigante abarrotado de informação, resolvi separar em dois: neste, vou falar do fim do Miitomo, e onde eu acho que a Nintendo errou na sua criação, e depois faço outro falando do que vai acontecer com o canal.

Até porque ainda não decidi o que vou fazer, então estou enrolando pra dar mais tempo pra eu pensar.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

12 jan

Sobre outros jogos que gostei em 2017

Então, feliz ano novo!

Tentei fazer esta imagem o mais brega possível, o que acharam?

Ok, chega de festa.

Conforme prometi no vídeo d’Os Melhores Games Que (Quase) Ninguém Jogou 2017, neste eu vou falar de outros jogos que gostei bastante, mas que não entraram na lista anterior por motivos diversos.

Portanto, sem mais delongas, hora da abertura.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

31 jul

Sobre como Framed joga com a narrativa de quadrinhos

Imagine que você está lendo uma história em quadrinhos. É um mistério com um clima noir envolvendo uma grande perseguição ao personagem principal, que leva consigo com uma maleta com um conteúdo valioso. Em determinado momento, nosso herói (ou anti-herói, já que está sendo perseguido pela polícia) acaba virando uma esquina e indo de cara em um policial, que o aguardava numa emboscada. Ele é preso e sua aventura, aparentemente, termina aí.

“Se ao menos ele tivesse entrado pela porta entreaberta daquela casa”, pensa você, com pena do nosso anti-herói. “Já sei!” exclama você, exaltado. Com uma tesoura em mãos, você recorta a página da sua graphic novel de capa dura em papel couchê brilhante e muda a ordem dos quadros. Então, para a surpresa do universo, a história muda, e o fugitivo escapou da armadilha dos policiais e continuou sua épica fuga com sua valise misteriosa.

Isso não seria possível no mundo real. Sério, nem tente, não estrague nem os seus e nem os gibis de ninguém. Mas essa é a premissa de Framed, um jogo indie para tablets criado pelo estúdio australiano Loveshack Entertainment (antes que alguém pergunte, não, não é um simulador de destruição de gibis). Nele acompanhamos a história que descrevi, do nosso anti-herói em fuga, que é contada com uma combinação de quadrinhos e animação, e temos que organizar os quadros de cada página para que ele consiga escapar da polícia.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 21/04/2016.

Leia mais

31 jul

Sobre o que aprender com um jogo que não quer ensinar

Vocês tiveram que decorar a tabela periódica no colégio? Saber o nome de todos os gases nobres? Qual o número atômico do Bromo, sem ver o logo de Breaking Bad?

No meu caso, não precisei decorar a tabela periódica inteira, ainda bem. Só alguns elementos mais importantes, tipo oxigênio, carbono e o Na. Grande Na. Minha professora até passou algumas frasezinhas para ajudar a lembrar, mas a única coisa que recordo é que ela leu Robson Crusoé francês na cama, e não faço a menor ideia de quais elementos químicos estão nesta frase. A questão é que, após ter saído da escola, achei que nunca mais ia ter que lidar com os elementos da tabela periódica.

Esse foi o caso até eu ter baixado um joguinho mobile chamado Atomas no começo do ano passado.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 01/03/2016.

Leia mais