31 jul

Sobre reinvenções da Paciência

Uma piada que eu costumava fazer quando via discussões sobre qual jogo era o mais popular ou o que mais vendeu era afirmar que a resposta era óbvia, o Paciência do Windows. Windows é o sistema operacional mais comum para PCs, e todos eles vinham, na época, com o Paciência. Também vinham com o Campo Minado, mas o Paciência é um pouco mais antigo, sendo parte do Windows desde o 3.0, enquanto que o Campo Minado é desde o 3.1, então Paciência ganha. Hoje em dia essa piada não funciona mais, pois a Microsoft não o incluiu no Windows 8 e adicionou propagandas nele no Windows 10, tornando-o insuportável.

Mesmo assim, por muito tempo o Paciência do Windows foi ubíquo, pois todo mundo com acesso a um PC conhecia o jogo e sabia como jogá-lo. Sua jogabilidade era simples e rápida para aprender, bastando saber a ordem das cartas do baralho e conseguir usar o mouse. Sem contar que era o jogo perfeito para enrolar no trabalho, já que dá pra pausá-lo a qualquer momento, como quando o chefe entra na sala, e ele provavelmente está instalado no computador da empresa.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 08/06/2016.

Leia mais

31 jul

Sobre a imersão de um bate-papo em Emily is Away

Videogames possuem diversas maneiras de nos imergir em seus mundos. Seja através da câmera, do áudio, da narrativa ou até mesmo do estresse, é o objetivo de muitos desenvolvedores que os jogadores se esqueçam do mundo real, entrem com tudo no jogo e comecem a acreditar que fazem parte do seu universo. Todavia, existe um outro aspecto que sinto ser muito importante também, e que o jogo indie Emily is Away (kyleseeley23, 2015) soube trabalhar de maneira muito interessante, que é o seu método de entrada de comandos, o seu controle que, neste caso, é o teclado do computador.

Sim, inúmeros jogos utilizam o teclado, mas neste jogo ele foi trabalhado de uma maneira que ajudou muito na minha imersão.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 12/05/2016.

Leia mais

31 jul

Sobre a estética low-tech de Return of Obra Dinn

Return of the Obra Dinn é o novo projeto de Lucas Pope, criador do fantástico Papers, Please. Anunciado em 2014, o jogo recebeu uma demo mais completa recentemente na Game Developers Conference deste ano, e que foi disponibilizado para o público após o evento.

O jogo gira em torno do Obra Dinn, um navio mercante da Companhia das Índias Ocidentais (espero que ninguém tenha cabulado aulas de história e saibam do que estou falando) que, após ter desaparecido em 1802, ressurgiu próximo ao porto de Falmouth, Inglaterra, sem ninguém à bordo. Você controla um inspetor de seguros contratado pela Companhia para investigar o que aconteceu com o navio e sua tripulação. Para isso, você conta com o Memento Mortem, do latim, “lembrar a morte”, um relógio de bolso mágico que possui o poder de te transportar ao exato momento da morte de uma pessoa ao entrar em contato com o cadáver.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 05/05/2016.

Leia mais

31 jul

Sobre a vista em Birdsong

Uma expressão que já vi sendo usada para enaltecer as qualidades de um jogo de mundo aberto é “se você consegue ver no cenário, você consegue explorar”. A idéia é que o mundo do jogo é vasto e pode ser desbravado por completo, e tudo está ao alcance do jogador. Ele pode ir para onde quiser dentro do jogo.

Todavia, o jogo Birdsong, do desenvolvedor Daniel Linssen, subverte essa lógica de uma maneira muito interessante, apresentando toda a área dele numa única tela. Se você consegue ver um lugar na sua tela, você consegue chegar nele.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 28/04/2016.

Leia mais

31 jul

Sobre como Framed joga com a narrativa de quadrinhos

Imagine que você está lendo uma história em quadrinhos. É um mistério com um clima noir envolvendo uma grande perseguição ao personagem principal, que leva consigo com uma maleta com um conteúdo valioso. Em determinado momento, nosso herói (ou anti-herói, já que está sendo perseguido pela polícia) acaba virando uma esquina e indo de cara em um policial, que o aguardava numa emboscada. Ele é preso e sua aventura, aparentemente, termina aí.

“Se ao menos ele tivesse entrado pela porta entreaberta daquela casa”, pensa você, com pena do nosso anti-herói. “Já sei!” exclama você, exaltado. Com uma tesoura em mãos, você recorta a página da sua graphic novel de capa dura em papel couchê brilhante e muda a ordem dos quadros. Então, para a surpresa do universo, a história muda, e o fugitivo escapou da armadilha dos policiais e continuou sua épica fuga com sua valise misteriosa.

Isso não seria possível no mundo real. Sério, nem tente, não estrague nem os seus e nem os gibis de ninguém. Mas essa é a premissa de Framed, um jogo indie para tablets criado pelo estúdio australiano Loveshack Entertainment (antes que alguém pergunte, não, não é um simulador de destruição de gibis). Nele acompanhamos a história que descrevi, do nosso anti-herói em fuga, que é contada com uma combinação de quadrinhos e animação, e temos que organizar os quadros de cada página para que ele consiga escapar da polícia.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 21/04/2016.

Leia mais