04 dez

Sobre os controles de movimento em Super Mario Odyssey (e no Switch)

Então, eu estava pensando em alternar o assunto um pouco, pra não ficar focando tanto em Super Mario Odyssey, mas aí um artigo saiu no site Polygon argumentando, resumidamente, que os controles de movimento de Mario Odyssey revelam um problema maior do Switch: que controles de movimento não funcionam em aparelhos portáteis.

Então o que é WARIO WARE TWISTED?!?!

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

22 nov

Sobre a dificuldade de Super Mario Odyssey

Então, originalmente, o tema deste vídeo ia ser aplicado à série Box Boy, já que eu tinha prometido falar mais dela antes. Todavia, com o lançamento de Super Mario Odyssey, vi pelas internets gente reclamando da dificuldade, ou melhor, da falta dela no jogo, e resolvi falar do assunto focando mais em Mario. Mas ainda vai ter uma dose de Box Boy neste vídeo, não se preocupem, fãs do Qbby.

E, antes de continuar, melhor avisar: vai ter spoilers leves de gameplay de Mario Odyssey. Eu sei que parece estranho falar de spoilers em um jogo do Mario, já que a história é sempre basicamente a mesma, mas existe a surpresa de encontrar certos desafios pela primeira vez, então prefiro dar este aviso. Mas vou tentar focar apenas em elementos que apareceram em trailers e vídeos promocionais da Nintendo, então não se preocupem que não vou mostrar nada muito surpreendente.

Portanto, sem mais delongas, IT’S-A MARIO TIME!

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

22 set

Sobre o meta

Então, hoje vou discorrer sobre um assunto que, por muito tempo, me incomodou e que eu ativamente evitava. Ficava com raiva dele. Todavia, após jogar muito ARMS, Splatoon 2 e, por incrível que pareça, Fire Emblem Heroes, resolvi pesquisar e percebi que boa parte do meu descontentamento vinha da minha ignorância… somada ao comportamento de algumas pessoas online. Agora, acredito entendê-lo melhor e até aprendi a apreciá-lo, mas ainda tenho um certo rancor com gente que o usa de maneira escrota.

Estou falando do metagame, ou metajogo, em português, ou só meta, como muita gente prefere chamar pra economizar duas sílabas. Mais especificamente, quero falar sobre o que aprendi sobre ele e por quê eu o desprezava.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

28 ago

Sobre a relativa desimportância do passar do tempo em Ever Oasis

Então, um jogo que estou curtindo no momento é Ever Oasis, do 3DS. É um RPG de ação com elementos de sim em que exploramos dungeons tentando derrotar o Caos ao mesmo tempo que cuidamos do nosso oásis, que é um tipo de centro comercial no meio do deserto.

Estou me divertindo bastante, mas não estou aqui hoje pra falar sobre minha opinião quanto à qualidade do jogo, isto não é uma análise/review, talvez faça uma mais tarde. Neste vídeo, queria falar um pouco sobre um aspecto de Ever Oasis com o qual eu sempre tive uma relação de amor e ódio em games: prazos e o passar do tempo dentro do universo do jogo.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Leia mais

31 jul

Sobre as escolhas e suas conseqüências em Zero Time Dilemma

A narrativa em games já tem, há alguns anos, como um elemento característico e único de si a possibilidade de escolhas durante uma história. Elas vão desde escolhas de diálogo como em Life is Strange (2015) até tomadas de decisões com ações em RPGs como The Witcher 3 (2015). Essas escolhas podem ser simples como escolher seu pokémon inicial, mas podem ser mais complexas e nos fazer questionar nossos valores morais, como escolher seu pokémon inicial.

Por exemplo, quem escolhe Chimchar devia rever os próprios conceitos sobre o mundo.

Muitas vezes sofremos ao decidir pois raramente parece haver uma escolha “certa”, e histórias que sabem trabalhar as conseqüências da nossa decisão conseguem criar experiências únicas, como em Undertale (2015), em que matar ou não nossos inimigos mudam os diálogos e as ações de diversos persongens, assim como altera o final que alcançamos.

Isto é, pelo menos até você terminar o jogo e começar um arquivo de save novo, quando você escolhe tudo diferente só pra ver o que muda.

Texto originalmente publicado no site Sem Tilt em 29/06/2016.

Leia mais