29 jan

Sobre o provável problema que a Nintendo terá com o Labo

Então, a Nintendo nintendou uma nintendice bem nintendística, o Nintendo Labo.

Para quem não viu o anúncio, o Labo é uma linha de brinquedos de montar feitos de papelão chamados Toy-Con que interagem com o Switch em jogos específicos. A idéia é você se divertir tanto montando quanto brincando. Como eu falei, é uma coisa bem Nintendo.

E, como sempre acontece, eu acho que a empresa não vai estar preparada pra lidar com um problema que potencialmente irá acontecer assim que o Labo lançar.

A falta de peças para reposição.

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Antes de me aprofundar no problema, queria apresentar rapidamente a minha opinião pessoal sobre o Labo: parece uma coisa bem legal, o aspecto tecnológico das interações dos Joy-Con com os Toy-Con é impressionante e eu acho que tem muito potencial de vendas, mas não é algo que eu vá comprar.

Não porque eu tenha algum problema maior com ele, só acho que não é pra mim. Primeiro, porque eu não tenho filhos, e tenho a impressão geral que o Labo é bem focado no público pais/filhos. Segundo, porque por mais que eu goste brinquedos de montar como Lego e quebra-cabeças, sou mais fã de figures e action figures, ou seja, brinquedos que já vêm meio prontos, então entre comprar o Labo ou o Nendoroid da Sakura de Fire Emblem Fates, eu vou comprar o Nendoroid da Sakura de Fire Emblem Fates. Terceiro e último, porque os meus gatos possuem uma predileção especial por arranhar papelão, logo o Labo não ia durar nem um dia aqui em casa, ia virar arranhador em questão de minutos.

Um dos meus gatos, o Simon, em uma das caixas de papelão que eles destruíram.

Agora, se você se interessou pelo Labo e acha que vai se divertir muito com ele, que bom! Espero que você goste! Sério, de verdade, eu fico feliz por você. Essa atitude que muita gente tem na internet, de condenar quem gosta de coisas diferentes, é ridícula. Mas, ao mesmo tempo, ela é tão comum que eu sinto a necessidade de afirmar isto novamente: se você está excitado pelo anúncio do Labo, que legal, espero que ele atenda às suas expectativas e você se divirta.

Com a minha opinião fora do caminho, vamos falar sobre reposição de peças.

Seguinte: assim que terminei de ver o vídeo do Labo, uma coisa que me ocorreu é que papelão, por mais que seja um material muito útil e com grande potencial artístico e imaginativo, ele não é famoso por sua resistência. E isto que eu estou contando com o fato de existirem papelões surpreendentemente fortes, e com certeza o do Labo vai ser de qualidade. Mesmo assim, ainda é papelão. Talvez os meus supracitados gatos tenham influenciado a minha opinião sobre o material, mas eu realmente fiquei me perguntando o que o consumidor teria que fazer quando o seu piano do Nintendo Labo inevitavelmente amassasse, rasgasse ou fosse dilacerado por um felino doméstico particularmente animado.

Millenium Falcon de papelão feito pela artista Monami Ohno.

Mas, para minha grande surpresa, o site francês da IGN afirmou que a Nintendo ia disponibilizar os padrões das peças de graça para os consumidores poderem recriá-las, e que os kits oficiais não eram obrigatórios, apenas o cartucho que vem com eles. Me pareceu que a Nintendo, num raro momento de perspicácia, já havia pensado e se preparado para resolver o problema das peças destruídas.

Todavia, para minha dessurpresa, o site havia se enganado e soltou uma correção, afirmando agora que a Nintendo não vai disponibilizar os padrões das peças, e que é preciso comprar o kit oficial sim. Pelo que pesquisei, a empresa pretende oferecer peças sobressalentes, mas me pareceu mais que vai ser preciso pedir pra ela por encomenda do que simplesmente ir numa loja e comprar um kit novo.

Muito bem. Não tem como eu saber com 100% de certeza neste exato momento como que a Nintendo vai lidar com essa questão de reposição de peças, mas eu acredito que vai ser essa opção de pedir diretamente pra ela por peças novas, e eu realmente acho que essa solução não vai dar certo.

Sorrindo por fora, desesperada por dentro, é assim que o pessoal de atendimento ao cliente da Nintendo está se sentindo em relação ao lançamento do Labo.

Porque com base no que eu conheço da empresa, ela provavelmente está subestimando tanto a demanda e quanto a capacidade de quebrar as coisas dos consumidores.

Para entender meu ponto de vista, comecemos relembrando o tema do meu primeiro vídeo no canal, a logística de estoque da Nintendo, e como ela é espetacularmente incompetente pra prever a demanda dos próprios produtos. Quem quiser uma análise mais profunda, vai lá ver o vídeo, mas em linhas gerais eu argumento que a Nintendo prefere que falte produtos nas lojas do que ter que lidar com os custos de estoque parado, levando a uma postura bem conservadora na produção. Por causa desse histórico dela, não creio que haverá uma grande quantidade de Labos, e provavelmente não vai sobrar muitas peças pra serem disponibilizadas como sobressalentes.

Em seguida, vamos lembrar das “wiinjuries”, as histórias de pessoas se machucando ou quebrando coisas jogando o Wii. Eu sei que agora temos o viés do retrospecto, ou seja, poder olhar para o passado já sabendo o que aconteceu, mas ainda acho que era meio óbvio que um monte de wiimote ia sair voando com as pessoas jogando WiiSports e a Nintendo devia ter se preparado pra isso desde o lançamento do console. Imagina, eu tenho certeza que deve ter acontecido algum acidente em algum teste interno do Wii na Nintendo, nem que fosse um único acidente em cem testes, ou seja, um porcento de acidentes. Deve ter sido mesmo uma porcentagem baixa, pois eles concluíram que isso era um evento anormal e acreditaram que ele não iria se repetir com freqüência.

O pior é que a bola saiu pela canaleta neste arremesso.

O problema é que errar é humano, acidentes acontecem, e um porcento de um milhão de Wiis vendidos são dez mil pessoas se machucando ou quebrando a própria TV, uma quantidade grande o bastante pra virar um problema e chamar a atenção da mídia, que adora alardear uma pseudo-tragédia.

Conseqüência, a Nintendo teve que lançar pulseiras reforçadas e as camisinhas de wiimote.

O que nos traz ao Labo. Tenho certeza que a Nintendo testou os brinquedos de papelão com crianças, mas também tenho certeza que ela não testou o bastante. Ainda mais quando considerarmos que não são só as crianças, são pais perdendo a paciência na hora de montar o brinquedo e rasgando alguma coisa, uma avó achando que é lixo e jogando fora, um gato que adora arranhar papelão, enfim, diversas possibilidades pra dar merda.

Aí a família quer repôr a peça, entra em contato com a Nintendo e qual vai ser a provável resposta que ela vai ouvir?

“Sinto muito, as peças estão em falta.”

Porque a Nintendo não vai produzir peças o bastante para ter sobressalentes disponíveis.

E este é o problema que acredito que a Nintendo vai enfrentar quando lançar o Labo.

Claro que este é um problema menor. Não é tão ruim quanto ninguém comprar ou seu produto pegar fogo espontaneamente. Mas, como um fã da empresa, estou exasperado por antecipação, porque este potencial problema, a falta de peças sobressalentes, será a Nintendo fazendo as mesmas nintendices de sempre, uma análise ruim da demanda e do modo como os consumidores interagem com o produto.

O monte de matérias, posts e vídeos que vão aparecer tentando transformar isso em algo pior do que é de verdade também já está me irritando.

Quem é fã da Nintendo ouve esta história faz tempo…

Tendo dito tudo isto, há esperança, pois a empresa conseguiu evitar uma nintendice clássica com o Switch: a falta de jogos grandes nos meses seguintes ao lançamento do console. No fundo, isso não é um problema específico da Nintendo, pois a maioria dos consoles tem seu primeiro ano no mercado meio fraco, mas é a Nintendo que fica com a fama ruim, além dela ser a que mais afirmou, historicamente, ter aprendido com seus erros, para no console seguinte acontecer a mesma coisa. Todavia, o primeiro ano do Switch foi uma coisa espetacular, e acho difícil algum outro console repetir algo parecido no futuro. E isso aconteceu porque a Nintendo, desta vez, soube de verdade se prevenir ao problema.

Portanto, é possível que a Nintendo esteja preparando um estoque bom de peças do Labo, inclusive sobressalentes. Até porque peças de papelão são mais fáceis de produzir do que amiibos. Inclusive, isso pode ter sido um dos motivos por trás da escolha do material, sua facilidade de produzir.

Só que eu, pessoalmente, não consigo acreditar que a empresa vai conseguir fazer isso.

Antes de finalizar, só queria falar também de uma coisa que vai acontecer em resposta à fragilidade do papelão: um monte de empresinha de acessórios vai lançar versões de plástico das peças do Labo, e a gigantesca maioria vai ser de péssima qualidade e vão quebrar do mesmo jeito, provando que a decisão da Nintendo de usar papelão foi a correta. Sério, isto eu tenho certeza absoluta que vai acontecer mesmo.

Enfim, isto que eu tinha pra falar do Labo, ou pelo menos do problema que acredito que a Nintendo vai enfrentar quando ele lançar. Mas e você? O que achou do Labo? Quais problemas você acha que a Nintendo vai enfrentar com ele? Deixe seu comentário aí e…

Até a próxima!

Comentários