03 mar

Sobre a escassez de jogos no lançamento do Switch

Então, depois deste longo hiato, tão longo que mais parece um tritongo, vou voltar a falar do Switch!

Por favor não vá embora!

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Finalmente chegamos na semana de lançamento do Switch! Aleluia, irmãos! Quero dizer, isso se você vive em um país onde a Nintendo exista, que não é muito o meu caso. Mas não estou aqui para choramingar mais sobre isso, estou aqui hoje para gritar sobre os jogos de lançamento do console, mais especificamente, sobre a aparente escassez de jogos.

Estive planejando este vídeo desde o Switchmas, mas decidi esperar chegar mais perto do lançamento do console para ver se não apareciam mais jogos, o que de fato aconteceu. Na verdade, desde que eu comecei a escrever este texto, já mudaram os jogos confirmados para o lançamento, e se bobear vão mudar ainda mais antes de eu subir ele. Se mudar depois de eu já ter gravado o áudio, foda-se, vai ficar desatualizado mesmo.

Comecemos então listando quais são os jogos de lançamento do Switch na Trumplândia, em ordem alfabética:

  • 1-2-Switch
  • Fast RMX
  • Human Resource Machine
  • I Am Setsuna
  • Just Dance 2017
  • The Legend of Zelda: Breath of the Wild (não, eu não conto o “the” na ordem alfabética, artigos não devem contar, na minha opinião)
  • Little Inferno
  • Shovel Knight: Treasure Trove (e sua nova expansão, Specter of Torment, mas estou contando todos como um jogo só)
  • Skylanders Imaginators
  • Snipperclips
  • Super Bomberman R
  • Vroom in the Night Sky
  • World of Goo

Total: treze jogos… mais ou menos, que pelo que eu vi quatro deles ainda não foram confirmados com 100% de certeza absoluta para o lançamento (Human Resource Machine, Little Inferno, Vroom in the Night Sky e World of Goo), mas vou considerá-los mesmo assim. Cinco são completamente novos e, por enquanto, exclusivos para o Switch (1, 2, Switch, Fast RMX, Snipperclips, Bomberman e Vroom in the Night Sky), um deles é novo mas vai lançar simultaneamente no WiiU (Zelda, obviamente) e o resto são versões de jogos que já lançaram anteriormente para outros consoles. Oito estarão disponíveis apenas como download (Fast RMX, Human Resource Machine, I am Setsuna, Little Inferno, Shovel Knight, Snipperclips, Vroom in the Night Sky e World of Goo), enquanto que os outros cinco terão tanto versão em mídia física quanto digital. Dois foram desenvolvidos internamente na Nintendo (1, 2, Switch e Zelda), um deles foi desenvolvido por um estúdio externo mas será distribuído pela empresa (Snipperclips, desenvolvido pela SFB Games), quatro são de third-parties grandes (I am Setsuna, Just Dance, Skylanders e Bomberman) e os últimos seis são de estúdios indie.

Não importa aonde eu olhe nas internets, vejo gente reclamando que não tem muitos jogos, ou que não tem nada além de Zelda. Um puta monte de gente afirmando que não vê propósito em comprar o console no dia do lançamento, outro puta monte de gente afirmando que a máquina vai fracassar porque tem pouco jogo, e mais um outro puta monte de gente com a necessidade de dar o seu xixizinho na discussão toda e declarar para o mundo que não tem interesse no Switch.

Muito bem.

Eu. Estou. De saco cheio. Dessa. Porra.

Eu não agüento mais ouvir gente reclamando disso. Até mesmo um monte de jornalistas que eu respeito e acompanho o trabalho fica batendo nessa tecla. É exasperante. É desesperador. É revoltante. Chega dessa merda, que essa reclamação é absolutamente ridícula.

Ponto.

E por que essa reclamação é ridícula?

Por causa do conceito do “jogo gota d’água”. O que é o “jogo gota d’água?” Não, não é Dewy’s Adventure. Quero dizer, pode ter sido para alguém, mas a definição que estou usando aqui é mais ampla. O “jogo gota d’água” é o jogo que faz uma pessoa olhar para ele e pensar “puta que pariu eu realmente quero jogar este jogo, mesmo que para isso eu precise comprar um console novo.”

Um jogo sobre uma gota d’água.

Vou ilustrar isso melhor com um exemplo pessoal. Na geração anterior de consoles, por muito tempo só tive o Wii. Mas eu sempre ficava namorando o PS3, pois ele tinha alguns jogos que eu queria muito jogar, como os da série Tales. Só que eu nunca conseguia justificar comprar um console novo, parecia um exagero.

Todavia, após jogar as duas primeiras fases de Journey na casa de um amigo, não consegui tirar este jogo da cabeça. Mais que terminar ele, eu queria ter ele, num console meu. O fato da minha esposa também ter ficado apaixonada pelo jogo influenciou muito a minha decisão, e no fim juntei uma grana e comprei um PS3, a edição especial de Journey e Tales of Graces F. Journey foi o meu “jogo gota d’água” para finalmente comprar o PS3.

Para algumas pessoas, o “jogo gota d’água” simplesmente acaba sendo o empurrãozinho final para elas finalmente comprarem o console, pois já havia vários outros jogos que as interessavam, assim como existem pessoas que um único “jogo gota d’água” enche o copo inteiro e transborda tudo.

Mas enfim, o que isso tem a ver com o Switch e seus jogos de lançamento? Simples: Zelda Breath of the Wild é o “jogo gota d’água” para muita gente. Tem um monte de gamers dispostos a comprar o console no lançamento só para poder jogar essa versão desse jogo.

Portanto, para uma grande fatia do principal público-alvo do lançamento do console, não importa quantos outros jogos além de Zelda estarão nas prateleiras no primeiro dia, pois tudo o que importa para essas pessoas é a porra do Zelda novo. Os jogos que esse público comprar a mais vão mais ser mais uma compra impulsiva que qualquer outra coisa, algo do tipo “já que estou torrando toda essa grana mesmo, por que não levar mais um jogo?” Os outros jogos podem ser 1, 2, Switch, Bomberman ou até mesmo o Just Dance que não importa: essas pessoas estão comprando o Switch pra jogar Zelda.

Sem contar que este Zelda é, aparentemente, enorme! Cheio de conteúdo! Mais que o bastante para divertir por meses! Eu sei que nem todo mundo joga que nem eu, um louco levemente obsessivo que quer sempre chegar perto de fazer 100%, mas ainda assim! É um jogo que vai distrair muita gente por muito tempo. Não sei quanto tempo livre a mais todo mundo vai ter para jogar outros jogos além de Breath of the Wild, mas algo me diz que não vai ser muito.

Ah, mas aí surge um floquinho de neve especial falando “Mas só esse Zelda não é o bastante pra mim! Eu quero mais jogos! Nhé nhé nhé!”

Então não compra a porra do Switch no lançamento! Puta merda! É tão difícil assim? Espera sair o seu “jogo gota d’água”! Espera seu copo transbordar, daí você compra o Switch! Ou, se o seu copo não encher nunca, não compra o Switch! Você não precisa comprar essa máquina! Pára de ficar mijando no copo cheio das outras pessoas e deixa elas se divertirem em paz! O dinheiro é seu? NÃO! Então cala a boca! Caralho, pra quê ficar enchendo o saco? Povinho metido de merda, onde já se viu?

Eu sei que muitos desses floquinhos de neve estão achando que estão fazendo uma análise de mercado, não muito diferente deste que vos fala, mas, se posso me gabar por um momento, eu pelo menos me esforço para tentar ver a situação do ponto de vista de mais pessoas. Acho. Vocês que me digam. De qualquer jeito, eu tenho a impressão que muita gente simplesmente só decide o sucesso ou o fracasso de uma coisa com base no próprio gosto, e essas pessoas deviam aprender a tirar a cabeça do próprio umbigo, isso quando não está enfiada no próprio cu, e ver que tem muita gente diferente com gostos e necessidades diferentes.

Fui buscar no Google por “head up own ass” (cabeça enfiada no próprio cu) e a internet não me decepcionou.

E sim, este Zelda também vai lançar para o WiiU, e muita gente já se decidiu por comprar a versão do WiiU. Mas, se posso ser sincero, o WiiU vendeu muito pouco, e essas pessoas não são uma fatia tão grande assim do mercado, não creio que elas realmente vão fazer uma grande diferença nas vendas iniciais do Switch. No fundo, isso apenas significa que o Zelda ainda não é o “jogo gota d’água” para elas comprarem o Switch.

Portanto, por que a quantidade de jogos no lançamento do Switch não importa? Porque a Nintendo está focando no público que quer jogar Zelda, e qualquer outro jogo que competir em algum nível com Zelda iria vender menos. A única exceção é Mario Odyssey, mas aí nenhum OUTRO jogo venderia, pois todo mundo só iria comprar esses dois jogos.

Tendo dito tudo isto, sinto que é preciso ressaltar que a Nintendo não está contando apenas nesses early-adopters fãs de Zelda para sustentar o Switch. Obviamente. Eles são o primeiro mês, a estratégia muda nos meses seguintes, tanto que é por isso que ela resolveu priorizar um ritmo bom de novos jogos chegando no mercado do que um lançamento excessivamente recheado. Outra hora falo disso melhor, que a mensagem que eu focar neste vídeo é: mais importante que quantidade é qualidade, e ter um “jogo gota d’água” logo no lançamento do seu console é crucial.

E, se 1, 2, Switch conseguir repetir a proeza de Wii Sports e assim a Nintendo ter, novamente, dois “jogos gota d’água” no lançamento do console, melhor ainda pra ela.

Enfim, o que você acha? Faz sentido essa minha leitura, de que Zelda é um “jogo gota d’água” que consegue sustentar o lançamento do Switch ou era preciso ter mais jogos? Só não estou com saco de ouvir floquinho de neve falando que não quer jogar Zelda, de resto, deixe seu comentário aí e…

Até a próxima!

Comentários