18 jan

Sobre os jogos apresentados no Switchmas (vídeo)

Esta é a transcrição do vídeo de mesmo nome que está no meu canal do YouTube. Vão lá conhecer!

Então… Switchmas!

[estala os dedos]

Muito bem, vamos falar do evento do Switch, popularmente conhecido como o Switchmas. Eu tenho um monte de coisa pra falar sobre o evento, mas como eu não estou a fim de fazer um vídeo gigante agora e eu não aprendo com meus erros, vou fazer vários vídeos, cada um analisando um aspecto diferente. Hoje vou dar uma opinião rápida de alguns dos jogos anunciados, os que mais me chamaram a atenção. Não vou fazer de todos porque, novamente, não quero fazer um vídeo gigante.

Comecemos então com o primeiro jogo exibido na conferência:

[estala os dedos]

Este é o Wii Sports do Switch, no sentido de que é o jogo criado para demonstrar o diferencial do console para um público mais casual. Nintendo Land foi a mesma coisa para o Wii U.

Então, por mais que tenha um lado meu que quer gritar na orelha da Nintendo que ela não precisa ficar inventando novas maneiras completamente revolucionárias de jogarmos video games o tempo inteiro, pois muitas vezes isso só serve pra confundir o consumidor, e que tentar vender um VÍDEO game que não precisa de uma tela é algo um tanto estúpido, o que vi deste jogo me pareceu divertidinho.

Quero dizer, é uma coletânea de mini games nonsense bem num estilo Wario Ware, e eu adoro essas bobagens, mas não sei se ele realmente vai ser tão vendável quanto Wii Sports. Ele tem mais potencial no mercado que Nintendo Land, pois acho que dá pras pessoas pegarem mais rápido o propósito de 1, 2, Switch só olhando outros jogarem, enquanto que Nintendo Land precisava explicar um monte de coisa. Isso porque eu gosto de Nintendo Land, mas o jogo era muito mais complicado de explicar do que deveria ser.

A grande questão com 1, 2, Switch é se ele não deveria estar incluso com o console. Eu acho que sim, pois não acredito que este jogo vá vender muito sozinho. Uma alternativa seria vender com ele dois Joy-Cons, mais ou menos como aconteceu com Wii Play, mas acho que a Nintendo ou acredita demais neste jogo ou está vendendo o console com o menor preço possível, e incluir o jogo iria matar o lucro por unidade vendida.

Se eu vou comprar ele? Não sei ainda. Tô pendendo mais para o não, mas vamos ver. Se quando eu comprar o meu Switch ele estiver com desconto, talvez.

[estala os dedos]

Quando vi pela primeira vez, durante a conferência, não me pareceu grandes coisas, pra ser sincero. Sei lá, minhas memórias de Wii Boxing não são muito positivas.

Mas depois, vendo gente jogando e lendo a opinião de quem jogou, estou começando a ficar mais interessado nele. O que mais me atraiu foi a comparação com Splatoon, que seria um jogo que está Nintendando jogos de luta, mais ou menos como Splatoon nintendou shooters. Mas o principal foi o pessoal falando de como os controles são bem precisos, o que ajuda a florescer seu lado estratégico, uma vez que ele tem uma relação de força parecida com Pokkén: golpes podem ser bloqueados, bloqueios podem ser agarrados e agarrões podem ser golpeados.

Se eu vou comprar ele? Novamente, não sei, mas provavelmente sim, pois eu vivo comprando jogos de luta falando que vou aprender suas mecânicas mais avançadas mas nunca passo do estágio de button masher. Ainda assim, me divirto o bastante com eles. Sem contar que eu gostei muito do estilo visual dos personagens.

[estala os dedos]

É mais Splatoon. Adorei o primeiro, é claro que eu vou comprar este jogo. Não tem nem o que discutir.

Tendo dito isto, gostaria de falar rapidamente do fato dele ser o 2, ao invés de ser um remaster ou um deluxe, que nem Mario Kart 8, que vi gente questionando isto. Imagino que estas pessoas estejam pensando que, caso fosse um remaster, o jogo seria mais barato, e que a Nintendo só pôs o 2 para cobrar o preço completo.

Muito bem.

Primeiro, ao que tudo indica, Mario Kart 8 Deluxe vai ser o preço total também, então… não ia fazer diferença nesse sentido.

Segundo, existe um fator que, para mim, já valida ele como uma seqüência: a história. Pelo que o produtor falou, este jogo se passa dois anos depois do primeiro, e o fato dos Octarians terem aparecido no trailer E A CALLIE NÃO (cadê minha Squid waifu?) me dão a entender que a campanha single player vai ter uma história nova. Sim, o principal modo de Splatoon é o multiplayer, mas o single player é legalzinho também, e eu prefiro uma aventura nova do que jogar de novo a mesma com, sei lá, um mundo extra.

Terceiro, se fosse um remaster ou um deluxe, a Nintendo provavelmente teria que lançar com todo o conteúdo que já havia sido lançado para o primeiro destravado desde o começo, e isso possivelmente iria assustar ou afastar novos jogadores. Opções demais intimidam. Por isso que no primeiro elas foram sendo liberadas aos poucos. Acho que fazendo este jogo a seqüência, a Nintendo espera dar a chance de todos começarem do zero, descobrindo aos poucos os cenários, as armas e os equipamentos. Claro que quem jogou o primeiro vai levar vantagem, por estar mais acostumado com os controles, mas imagino que este reset facilite para novatos.

O último fator que imagino ter incentivado a seqüencialização deste jogo devem ter sido as mudanças de jogabilidade, já que não estaremos mais jogando com o Gamepad e não teremos necessariamente uma touchscreen à mão. Não sei se foi assim que aconteceu, mas consigo ver o seguinte diálogo acontecendo entre os desenvolvedores de Splatoon:

– Sem uma touchscreen, o Inkstrike não funciona mais.
– Verdade.
– Podemos implementar ele usando o controle analógico.
– Ou a gente joga ele e todos os especiais atuais fora e cria um monte de novos, que não usem a touchscreen.
– Puta idéia!

Daí esse monte de especiais novos, e o jogo ser uma seqüência.

Falando em seqüências…

[estala os dedos]

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Eu adorei Xenoblade Chronicles, eu adorei Xenoblade Chronicles X, eu vou comprar este jogo não importa o quê. Só acho que a Nintendo anunciar ele para este ano é uma certa piada de mau-gosto, que eu duvido muito que ele saia ainda este ano, mas veremos. Talvez só no Japão.

O interessante é ele ser o 2. Isso indica que talvez eles estejam voltando para o universo do primeiro, em Bionis e Mechonis. Talvez essa seja a idéia, ficar alternando os dois universos, o das versões normais com o de X, mantendo como o pilar central da série Xenoblade sua jogabilidade e os Nopons. Enfim, eventualmente saberemos mais sobre a história.

Ah, e parabéns para o povo que ficou enchendo o saco do estilo visual dos personagens em X, falando que era medonho, que eles mudaram para este. Eu não me incomodava tanto, mas o novo é bem melhor. Sim, é mais animezão clichê, mas é melhor que o de X. Bem melhor.

[estala os dedos]

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Não mostrou nada deste jogo, mas a verdade é que este jogo faz muito mais sentido, na minha opinião, que Hyrule Warriors, por mais que Hyrule Warriors tenha sido bem divertido. Fire Emblem tem mais guerra e mais personagem, orna melhor com a série Warriors.

Enfim, vou comprar. Se alguém algum dia lançar um cocô de Fire Emblem, eu vou comprar. É uma das minhas séries favoritas de games da vida.

[estala os dedos]

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Battle Mode! Battle Mode! Battle Mode!

Como senti sua falta, Battle Mode! Ou melhor, de um Battle Mode decente, que o que tem no 8 normal do Wii U é uma pilha de bosta fedida com vômito em cima, é o Federation Force de Mario Kart. Mas tudo bem, tudo foi perdoado, e agora teremos novamente um Battle Mode de verdade.

E Inklings! Tá cada vez mais virando um Nintendo Kart, e não tenho nada contra isto, tá divertido.

O meu lado delirante sonhador está na esperança da Nintendo dar um desconto pra quem comprou o 8 normal, mas duvido muito que isso vá acontecer. Do jeito que a Nintendo é, é mais provável ela cobrar um extra de quem tem o 8 normal para transferir seu save e seu ranking online pro deluxe.

[estala os dedos]

Eu não sei exatamente sobre o que ele é, o nome é horroroso, mas este jogo é lindo. Vocês viram isso? Essa pixel art “tresdezada”? É lindo. Só sei que eu quero comprar, temos que incentivar quando a Square Enix faz JRPGs que não são Final Fantasy nem Dragon Quest, pois é assim que conseguimos coisas como The World Ends With You e Bravely Default, dois jogos fantásticos.

[estala os dedos]

Novo jogo do Travis Touchdown

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Por mais que ela tenha vários problemas e tosquices, eu adoro a série No More Heroes, e eu adoro o personagem principal, Travis Touchdown. Um jogo novo dele é algo que eu nunca achei que fosse ver, e estou exultante de felicidade. Eu sei que não mostrou nada além de uma arte dele, mas só ver ele com a frase Travis strikes again na camiseta foi o suficiente para eu ficar comemorando e sorrindo feito um idiota.

[estala os dedos]

Meu deus! A Konami vai lançar um videogame! Prum console! De uma franquia da Hudson! Que parece legal! E faz sentido em relação ao personagem! Puta merda! Caralho! Não acredito! What the fuck!

Eu lembro de jogar o Bomberman 64 na casa de um primo e me divertir horrores, me parece um party game com muito mais potencial que o 1, 2, Switch, mesmo que não seja tão inovador ou revolucionário.

[estala os dedos]

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Então. Jogo 3D novo do Mario. Vou comprar assim que lançar. Sem pensar. Até por que vai ser interessante voltar ao jeitão mais sandbox do Mario 64 e do Sunshine.

Parece muito legal, mas essa coisa do Mario encontrando seres humanos proporcionais é muito, muito estranha. Imagino que jogando nós nos acostumemos, mas que é bizarro, é, como um hobbit cabeçudo e deformado andando por aí. Enfim, veremos.

Mas esta cena, dele jogando o chapéu e pulando nele, isso aqui me deixa super animado com o jogo, e me faz esquecer toda a bizarrice do resto. Sério, na minha cabeça, isso aumenta o potencial plataformístico deste jogo em mil por cento. Mal posso esperar.

[estala os dedos]

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

Não tem nem o que discutir, este jogo é o grande propósito da existência da Nintendo, é o Santo Graal dos fãs. Acho que o nível de ansiedade por este jogo passou o de Twilight Princess, e se você já viu como reagimos ao anúncio de Twilight Princess, dá pra ter uma idéia de como estamos nos sentindo com este jogo, Breath of the Wild, tão próximo.

Este jogo é lindo e tem um ar melancólico que não me lembro de ver antes na série. E a Zelda parece mais interessante do que nunca, algo me diz que desta vez ela vai ser melhor trabalhada enquanto personagem. Só espero que o rumor de que vai dar pra jogar com o áudio em japonês seja verdade porque, por enquanto, gostei mais da dublagem japonesa.

Nem tenho mais o que falar, só que eu quero muito jogar este jogo. Eu sinceramente quase chorei só com o trailer, eu só quero jogar ele logo.

[estala os dedos]

Conclusão

Bem, estes são os jogos que eu queria comentar. Ainda tem outros jogos interessantes, como o Snipperclips e o Ultra Street Fighter 2, sem contar o anúncio escondido de um jogo da série Tales of…

[Entra o refrão da música It’s a Wonderful World]

…Mas este vídeo já está longo o bastante. Depois falo sobre o hardware do Switch em si, então…

[estala os dedos]

Até a próxima!

Comentários